9 estratégias de ensino socializantes

Estratégias  didáticas socializantes são métodos que valorizam a interação social.

Fazem a aprendizagem efetivar-se em grupo.

Incluem as técnicas de trabalho em grupo, estudo de casos, estudo do meio e aulas práticas.

1) Trabalho em Grupo

Grupo é o conjunto de duas ou mais pessoas em situação de interação e agindo em função de um objetivo comum.

Em termos didáticos, os principais objetivos do trabalho em grupo são:

  • facilitar a construção do conhecimento;
  • permitir a troca de idéias e opiniões;
  • possibilitar a prática da cooperação para conseguir um fim comum.

Ao participar dessa troca de experiências, o indivíduo precisa organizar seu pensamento a fim de exprimir suas ideias de forma a serem compreendidas por todos.

Sendo assim, na dinâmica do trabalho em grupo, o aluno fala, ouve os companheiros, analisa, sintetiza e expõe ideias e opiniões.

Além de questionar, argumentar, justificar e avaliar.

Esse método contribui para o desenvolvimento das estruturas mentais do indivíduo.

Isso porque mobiliza seus esquemas operatórios de pensamento.

Além de contribuir para o desenvolvimento dos esquemas cognitivos.

Vale ressaltar, que o trabalho em equipe favorece a formação de certos hábitos e atitudes de convívio social, como:

  • Cooperar e unir esforços para que o objetivo comum seja atingido;
  • planejar, em conjunto, as etapas de um trabalho;
  • dividir tarefas e atribuições, tendo em vista a participação de todos;
  • aceitar e fazer críticas construtivas;
  • ouvir com atenção os colegas e esperar a sua vez de falar;
  • respeitar a opinião alheia e;
  • aceitar a decisão quando ficar resolvido que prevalecerá a opinião da maioria.

Ao utilizar o trabalho em grupo na sala, o professor precisa se conscientizar de que não está apenas aplicando mais um recurso didático para a construção do conhecimento.

Está lançando mão de um poderoso instrumento formador de hábitos de estudo e atitudes sociais.

As equipes podem ser formadas aleatoriamente ou por afinidades.

Podem ser estabelecidos em conjunto com os alunos, normas de condutas e padrões de comportamento necessários para o bom desempenho de cada membro dentro do grupo como um todo.

São muitas as técnicas propostas e sistematizadas pelos especialistas em dinâmicas de grupo.

Apontamos aqui as mais usadas na área da educação.

2) Discussão em pequenos grupos

Consiste em estudar e analisar um assunto em grupos pequenos que variam de cinco a oito pessoas.

É recomendado para situações que exigem: coleta e sistematização de dados e informações; resolução de problemas; tomada de decisões e realizações de tarefas.

Além disso, os membros podem desempenhar certos papéis para facilitar o andamento do trabalho e aumentar sua produtividade.

3) Simpósios

É uma série de breves apresentações de diversas pessoas sobre diferentes aspectos de um mesmo tema ou problema.

Ele pode ser realizado durante um mesmo dia ou durante vários dias seguidos.

No dia marcado para a realização do simpósio, cada um faz uma exposição de 10 a 20 minutos sobre o tema.

E no final da apresentação, os demais alunos da classe formulam perguntas aos expositores.

Para melhor controle do tempo, pode-se escolher um aluno para ser o mediador.

Controlando assim o tempo de cada expositor e organizar o debate final.

4) Painel

É uma conversa ou discussão informal que se estabelece entre um grupo de pessoas conhecedoras de um assunto.

Essa conversa ocorre frente à uma platéia, que em seguida apresenta suas perguntas.

O grupo encarregado do painel deve constituir-se de três a seis componentes.

5) Seminário

No seminário, um aluno ou um grupo de alunos ficam encarregados de fazer uma pesquisa sobre determinado assunto.

E posteriormente acabam expondo o tema da pesquisa para toda a classe.

A utilização da técnica do seminário contribui para o desenvolvimento do espírito de pesquisa.

Já que leva o educando a coletar material para análise e interpretação.

E faz com que ele sistematize as informações coletadas para posterior exposição e transmissão.

6) Tempestade cerebral (brainstorming)

Consiste na apresentação livre de ideias ou de alternativas de solução para um determinado problema.

Dando margem à imaginação criadora e sem se restringir aos esquemas lógicos de pensamento.

Só após a apresentação livre das ideias é que elas serão submetidas a uma análise crítica.

O objetivo básico desta técnica é o desenvolvimento da criatividade.

Pois dá ênfase ao surgimento de novas ideias e soluções, sem se prender às concepções preestabelecidas.

Vale ressaltar, que as técnicas não têm outra finalidade senão a de ajudar o funcionamento mais eficiente dos processos de manutenção e produtividade.

Já que facilita a comunicação, a participação e a tomada de decisões.

Desta forma, as técnicas são simples artifícios para o grupo realizar seus fins.

Ou seja, adquirir o conhecimento.

7) Estudos de Casos

Essa técnica consiste em apresentar aos alunos uma situação real, dentro do assunto estudado.

Para que analisem e, se for necessário, proponham alternativas de solução.

Assim, acaba sendo uma forma de os alunos aplicarem os conhecimentos teóricos a situações práticas.

O estudo de casos é uma variação da técnica de solução de problemas.

Caracteriza-se, principalmente, pelo fato de as situações propostas serem reais ou baseadas na realidade.

Em geral, a situação é apresentada aos alunos por escrito, em forma de descrição, narração, diálogo ou artigo jornalístico.

Porém, pode ser apresentada também por meio de um filme.

O estudo de casos apresenta como objetivos básicos oferecer oportunidade para que o aluno possa aplicar os conhecimentos assimilados a situações reais.

E criar condições para que o aluno exercite a atitude analítica e pratique a capacidade de tomar decisões.

Existem dois tipos de casos que podem ser propostos aos alunos, de acordo com o objetivo que se tem em vista.

O caso-análise que tem como objetivo desenvolver a capacidade analítica dos alunos.

E tudo que se pretende dos alunos é que a situação seja discutida, sem aspirar a chegar à solução alguma.

E o caso-problema que tem como objetivo chegar a uma solução, a melhor possível dentro dos dados fornecidos pelo caso.

Além de desenvolver a capacidade de tomar decisões, de adotar uma linha de ação depois de analisar várias alternativas.

8) Estudo do Meio

É uma técnica que permite ao aluno estudar de forma direta o meio natural e social que o circunda e do qual ele participa.

Além disso, é uma prática educativa que se utiliza de entrevista, excursões e visitas como formas de observar e pesquisar diretamente a realidade.

No entanto, não se deve confundir como uma simples excursão, visita ou viagem.

É uma atividade mais ampla, que começa e termina na sala de aula, embora se desenvolva em grande parte fora dela.

Como técnica pedagógica, o estudo do meio apresenta os seguintes objetivos:

  • Criar condições para que o aluno entre em contato com a realidade circundante, promovendo o estudo de seus vários aspectos de forma direta, objetiva e ordenada;
  • propiciar a aquisição de conhecimentos geográficos, históricos, econômicos, sociais, políticos, científicos, artísticos de forma direta por meio da experiência vivida e;
  • desenvolver as habilidades de observar, pesquisar, descobrir, entrevistar, coletar dados, organizar e sistematizar os dados coletados, analisar, sintetizar, tirar conclusões e utilizar diferentes formas de expressão para descrever o que observou.

O estudo do meio pode abranger várias disciplinas e áreas de estudo integrantes do currículo.

Isso permite que fatos e fenômenos, geralmente estudados na faculdade de modo isolado e compartimentalizado, possam ser observados e analisados de forma integrada e dentro de um contexto mais amplo.

Tal como se apresenta na realidade.

Essa técnica é dividida nas seguintes fases: planejamento, execução, exploração e apresentação dos resultados e avaliação.

E o papel do professor é apenas de orientar e coordenar seu planejamento, execução e avaliação.

9) Aulas Práticas

As aulas práticas podem ajudar no desenvolvimento de conceitos científicos.

Além de permitir que os estudantes aprendam como abordar objetivamente o seu mundo e como desenvolver soluções para problemas complexos.

Outra vantagem importante, é que nas aulas práticas, o professor pode retornar um assunto já abordado, construindo com seus alunos uma nova visão sobre um mesmo tema.

Desta forma, quando compreende um conteúdo trabalhado em sala de aula, o aluno amplia sua reflexão sobre os fenômenos que acontecem à sua volta.

E isso pode gerar consequentemente, discussões durante as aulas fazendo com que os alunos.

Além de exporem suas idéias, aprendam a respeitar as opiniões de seus colegas.

By | 2017-11-28T18:02:24+00:00 03.12.17|0 Comentários

Sobre o Autor:

Graduada em Ciências Biológicas (licenciatura) pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais, Mestre em Ciências (ênfase Ensino de Biologia) pela Universidade de São Paulo. Trabalha com biologia geral, com ênfase em estratégicas didáticas e linguagem.

Deixar Um Comentário