Certamente você já ouviu falar de educação formal, informal e não formal.

Mas você sabe o que isso de fato significa?

Para entendermos o que é a educação formal, a informal e não formal, vamos começar falando de educação.

O que é educação

A educação, de modo geral, prepara o ser humano para o desenvolvimento de suas atividades no percurso de sua vida.

Dessa forma, a educação é algo permanente na vida de todo cidadão.

Ou seja, é um processo contínuo, que permanece em desenvolvimento mesmo após o período escolar.

Sendo assim, não basta que as pessoas acumulem no começo da vida uma quantidade de conhecimentos.

Mas devem aproveitar todas as oportunidades para atualizar, aprofundar e enriquecer estes primeiros conhecimentos.

É dessa forma que conseguimos vencer os novos desafios impostos pelas rápidas mudanças mundiais.

A educação deve organizar-se em torno de quatro aprendizagens: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver juntos e aprender a ser.

Os termos, formal, não formal e informal são de origem anglo-saxônica, surgidos a partir de 1960.

Vários fatores, ocasionados pela segunda Guerra Mundial, desencadearam uma crise educacional nos países do primeiro Mundo, dentre eles:

a) os sistemas escolares não conseguiam atender à grande demanda escolar,

b) os sistemas escolares não cumpriam seu papel em relação à promoção social e,

c) a não formação de recursos humanos para as novas tarefas que surgiam com a transformação industrial.

Com isso, ocorreu, de um lado, a exigência de um planejamento educacional.

E, de outro, a valorização de atividades e experiências não escolares, tanto ligadas à formação profissional quanto à cultura geral.

Geralmente, a diferença entre formal, não formal e informal é estabelecida tomando por base o espaço escolar.

Dessa forma, ações educativas escolares seriam formais e aquelas realizadas fora da escola não formais e informais.

Nos países de língua inglesa, o termo “não formal”, quase não é utilizado.

São consideradas como informais as ações realizadas em outros locais diferentes da escola.

Enquanto nos países latinos e Lusófonos, os termos, “não formal” e “informal” são aplicados à educação, sendo o primeiro associado a instituições como museus, centros culturais, ONGs, e o segundo, a mídias.

A educação formal

É aquela desenvolvida nas escolas, com conteúdos previamente demarcados.

A educação formal tem um espaço próprio para ocorrer.

Ou seja, é institucionalizada e prevê conteúdos.

Além disso tem como objetivo o ensino e aprendizagem de conteúdos historicamente sistematizados, que preparam o indivíduo para atuar em sociedade como cidadão ativo.

Ou seja, a educação formal preocupa-se mais com o aprender a conhecer, ficando em segundo plano o aprender a fazer.

A educação formal é metodicamente organizada.

Ela segue um currículo, é divida em disciplinas, segue regras, leis, divide-se por idade e nível de conhecimento.

A educação informal

É aquela que os indivíduos aprendem durante seu processo de socialização – na família, bairro, clube, amigos, etc., carregada de valores e cultura própria, de pertencimento e sentimentos herdados.

Ou seja, a educação informal pode ocorrer em vários espaços e envolve valores e a cultura própria de cada lugar.

Por isso, o principal objetivo da educação informal é socializar os indivíduos e desenvolver hábitos e atitudes.

Dessa forma, a educação informal é um processo permanente e não organizado.

A educação não formal

É aquela que se aprende no mundo da vida, via os processos de compartilhamento de experiências, principalmente em espaços e ações coletivas cotidianas.

A educação não formal ocorre a partir da troca de experiências entre os indivíduos, sendo promovida em espaços coletivos.

Dessa forma, o principal objetivo da educação não formal é proporcionar conhecimento sobre o mundo que envolve os indivíduos e suas relações sociais.

Para isso, trabalha com a subjetividade do grupo e contribui para sua construção identitária.

A educação formal, informal e não formal tem características diferenciadas, mas podem ser complementares.

Isso porque a educação formal promove a aprendizagem e a titulação.

Enquanto que na educação informal, os resultados acontecem a partir da visão do senso comum.

E na educação não formal, há o desenvolvimento de vários processos, já que é voltada para o ser humano como um todo.

Um bom exemplo de educação não formal está na Pedagogia utilizada por Paulo Freire.

Neste modelo, os educandos, nos círculos de cultura, discutem sua realidade e fazem, além da leitura da palavra, a leitura de mundo.

A educação informal e não formal não substituem a educação formal, mas podem complementá-la por meio de programações específicas e articulações com a comunidade educativa.